Categorias

Abraão (4) Acolhida (2) Advento (1) Aliança-Pacto de amizade (1) Ambientação (2) Amizade (1) Ano Liturgico (1) Ano Litúrgico (1) Apóstolos (3) Arte na catequese (10) Artesanato criativo (5) As maravilhas de Deus (1) Atividades (8) Avaliação na Catequese (2) Batismo (3) Bíblia (8) Brincadeiras (1) Caça ao Tesouro (2) Campanha da Fraternidade 2017 (2) Cantinho da Oração (1) Catavento (1) Catequese com adultos (8) Catequese com crianças (28) Catequese com os pais (2) Catequese de Crisma (6) Catequese de Perseverança (1) Catequese em ação (1) catequista não é tio (1) catequistas (1) Como preparar encontro de catequese (2) Confissão (1) Coordenação (1) Coroa do Advento (1) Correio de Maria (6) Crisma (1) Dia das Mães (5) Dia do Catequista (1) Dinâmicas (60) Dinâmicas de Oração (6) Dinâmicas de Revisão (1) Espírito Santo (4) Eucaristia (10) Evangelho (5) Família (2) Felicidade (2) Formações (32) Gincana (1) Histórias na Catequese (2) Igreja (1) Jesus chama seus colaboradores (1) Jesus convida os apóstolos (1) Jesus inicia sua missão (1) João Batista (2) Juízes (1) Leitura Orante (6) Lembrancinha da Páscoa (6) Lembrancinha para as mães (4) Lembrancinhas (5) Mandamentos (2) Maquete (1) Matrimônio (1) Meio Ambiente (1) Metodologia catequética (24) Moisés (1) Nascimento de Jesus (2) Natal (2) Nossa Senhora (4) O nascimento de Jesus (1) O Perfil do Catequista (10) O programa de Jesus (1) O tempo dos Reis (2) Oração (2) Pai- Nosso (2) Papo de catequista (13) Parábola do semeador (2) Páscoa (6) Pecado (2) Pentecostes (1) Planejamento (3) Planejamento de Encontros (24) Profetas (1) Quem é Jesus? (4) Quem eu sou? (1) Rádio Catequese (4) Rei Davi (1) Reunião de pais (1) Revisão (5) Roteiro de visitas às famílias dos catequizandos (1) Sacramento da Crisma (1) Sacramento da Reconciliação (1) Sacramentos (6) Sagrada Família (2) Santíssima Trindade (1) Semana Santa (3) Somos filhos de Deus (2) Teatro (2) Textos de Apoio (1) Unção dos Enfermos (1) Ver-julgar-agir (1) Vlog (1)

28 abril, 2013

Dinâmica: Carteira de Identidade Cristã

Vi no livro Sementes da Vida a dinâmica Identidade dos Filhos de Deus. Pesquisei um modelo de identidade no Google. Por sorte, encontrei o blog Discipulando jovens e adolescentes que tem um modelo parecido com o do livro. Então, a minha carteira de identidade ficou assim:



Pedi que os catequizandos desenhassem seus rostinhos no lugar da foto. E o espaço dedicado a digital, achei mais apropriado colar um coração. Afinal, a digital nos identifica na sociedade civil; para Deus, a nossa identidade é nada mais nada menos que o nosso coração. 

24 abril, 2013

Planejameto de Encontro de catequese: Somos filhos de Deus




Para o catequizando

Deus é nosso Pai e nosso criador. Ele nos ama como filhos. Por isso, Deus criou o homem e a mulher à sua imagem e semelhança. Não é que a gente seja parecido com Deus no corpo. Deus não tem corpo. Ele é só Espírito. Nós somos a parte mais importante da criação. E para nós Deus criou coisas tão belas! O ser humano é diferente das outras coisas criadas por Deus. É diferente dos animais porque recebeu de Deus vários dons que os animais não receberam. Dom é como um presente especial que não se pode comprar. 

Veja só os belos presentes que nós ganhamos de Deus:
Inteligência: O ser humano pensa e consegue falar o que pensa. Só o homem e a mulher são capazes de conhecer e amar o seu Criador.

Consciência: Sabe que a realidade existe.

Vontade: O ser humano é capaz de tomar decisões.

Liberdade: Pode escolher entre fazer o bem e o mal.

Vamos rezar: De mãos estendidas, vamos agradecer a Deus os dons que Ele nos deu para melhorar a vida de todos.

(Primeiro livro do catequizando, Paulus)


 Para o catequista

Somos gente...feitos com amor, por amor, pelo amor e para o amor. Feitos à imagem e semelhança de Deus, feitos com inteligência, liberdade, afeto, vontade...Somos as mais perfeitas das criaturas, superiores a tudo. Somos donos do mundo. Dominamos os animais, a terra e agora dominamos o espaço, a Lua...Que maravilha ser gente! Recebemos de Deus o mundo com suas riquezas. Precisamos aprender o que é 'ser gente'. Precisamos responder ao projeto de amor de Deus.

Deus me amou e quis que eu existisse. 
Todo esse mundo que vemos, a terra e tudo o que ela contém, são coisas dadas por Deus, como um pai dá presentes aos seus filhos. Mas, o presente maior que Deus dá é o seu amor a cada pessoa. 

A maior felicidade, para nós, é gostar de Deus,  gostar do projeto que Ele oferece para a nossa felicidade. É viver como seus filhos e irmãos de todas as pessoas, procurando o bem.

Vejamos o que Deus diz: "Não temas,pois eu te salvo, eu te conheço pelo nome, és meu...(Is 43, 4)

(Livro do Catequista)







Roteiro do encontro


Motivação

Para quem Deus fez as coisas bonitas?
Por que o homem é diferente das plantas e animais?

Desenvolvimento do tema

Ler Gn. 1, 26-31; 2, 18-24

1.O homem foi feito a imagem e semelhança de Deus, isso quer dizer que o homem é diferente dos animais, porque: 
-é inteligente- pensa e fala o seu pensamento. Tem capacidade para dominar (trabalhar) a natureza;
-é livre-porque pode escolher entre o bem e o mal e sabe amar.

2. Todos os homens são iguais diante de Deus. A mulher tem o mesmo valor do homem e cada um foi feito para ajudar e ser ajudado para o outro.

3. O homem não nasce por acaso. Sempre Deus pensou com amor em cada um de nós. Preparou para nós as coisas bonitas do mundo e cuida, pessoalmente, de cada um. Cada pessoa é muito importante ao coração de Deus. Diz Deus, na Bíblia: "Ainda que a mãe se esqueça de seu filhinho, eu não me esquecerei de ti (Is 40, 15)".

Ação
Procurar cuidar do próprio corpo (Higiene)
Respeitar as pessoas.

Atividades: Levar para o encontro um plantinha  um animalzinho e colocá-los ao lado de uma criança e deixar que os outros indiquem as diferenças. 
Trazer para o encontro um objeto(radinho, relógio...) para que os catequizandos observem a inteligência do homem que o construiu. Mostrar o aparelho desligado e depois funcionando.
Ou trazer uma figura grande, cortada em vários pedaços como se fosse um quebra-cabeça,para ser montado.

Celebração
Fazer com que os catequizandos aprendam a dialogar com Deus, o seu Pai, agradecendo o amor que Ele tem por nós.

(Fonte: Livro do Catequista-Com adaptações)



21 abril, 2013

Dinâmica para catequese: O pão nosso de cada dia nos dai hoje




Iniciamos a dinâmica rezando o pai nosso.  Falei que quando pedimos a Deus "o pão nosso" não estamos só pedindo alimento, pão material,  mas também o pão espiritual. Distribuí os pães já recortados e pedi para que escrevessem, no pão, o que queriam pedir a Deus para eles e para os outros (Paz, amor, amizade...). Depois eles colaram o pão dentro das cestas. Usei esta dinâmica no encontro sobre eucaristia, apesar de ser um encontro sugerido para falar do Pai Nosso, porque como comunidade nossa comunhão parte de Jesus eucarístico e chega à partilha do amor, amizade, solidariedade. 

"Existem pessoas famintas de paz, perdão, fraternidade, amizade, amor, compreensão, carinho etc. A palavra de Deus em Mateus 4,4 nos diz que "Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus".Como cristãos precisamos estar atentos às necessidades das pessoas, orientando-as para os valores verdadeiros da vida e para conhecer e escutar a Palavra de Deus. Precisamos ter atitudes que demonstrem o que desejamos para os outros e o que pedimos para Deus; assim sendo, como sentimos a necessidade de pão, precisamos providenciar e suprir a necessidade de 'pão' dos nossos irmãos. Portanto, quando nós cristãos rezamos 'o pão nosso de cada dia nos dai hoje', pedimos ao pai que nos dê 'o pão da vida'. Pedimos vida harmônica, digna e fraterna." (Fonte Sementes de vida, Editora Ave-Maria)


Deus abençoe você.
Cris Menezes

18 abril, 2013

Dinâmica para catequese: 7 Chaves Para Ler a Bíblia- Com os catequizandos








Distribuí as 7 chaves para os catequizandos (Colei em cada chave um parágrafo do texto abaixo), e entreguei também algumas bíblias. À medida que um catequizando lia a chave, outro catequizando levava uma bíblia em procissão e colocava sobre a mesa. 


Texto as 7 chaves para ler a bíblia.
(Autoria atribuída a Jaime Francisco de Moura)
  1. Pés: Bem plantados na realidade.
    Para ler bem a Bíblia é preciso ler bem a vida, conhecer a realidade pessoal, familiar e comunitária do país e do mundo. É preciso conhecer também a realidade na qual viveu o Povo da Bíblia. A Bíblia não caiu do céu prontinha. Ela nasceu das lutas, das alegrias, da esperança e da fé de um povo (Ex 3,7).
  2. Olhos: Bem abertos.
    Um olho deve estar sobre o texto da Bíblia e o outro sobre o texto da vida. O que fala o texto da Bíblia? O que fala o texto da vida? A Palavra de Deus está na Bíblia e está na vida. Precisamos ter olhos para enxergá-la.
  3. Ouvidos: Atentos, em alerta.
    Um ouvido deve escutar o chamado de Deus e o outro escutar o seu irmão.
  4. Coração: Livre para amar.
    Ler a Bíblia com sentimento, com a emoção que o texto provoca. Só quem ama a Deus e ao próximo pode entender o que Deus fala na Bíblia e na vida. Coração pronto para viver em conversão.
  5. Boca: Para anunciar e denunciar.
    Aquilo que os olhos viram, os ouvidos ouviram e o coração sentiu a palavra de Deus e a vida.
  6. Cabeça: Para pensar.
    Usar a inteligência para meditar, estudar e buscar respostas para nossas dúvidas. Ler a Bíblia e ler também outros livros que nos expliquem a Bíblia.
  7. Joelhos: Dobrados em oração.
    Só com muita fé e oração dá para entender a Bíblia e a vida. Pedir o dom da sabedoria ao Espíri to Santo para entender a Bíblia.
  8. Autor: Jaime Francisco de Moura                                           

15 abril, 2013

Os frutos da comunhão



Por meio da comunhão, aumentamos nossa união com Cristo. Também aumentamos nossa união com os irmãos, porque Cristo une todos os fiéis em um só corpo, a Igreja. O que o alimento material produz em nossa vida corporal, a comunhão produz em nossa vida espiritual, aumentando e renovando a graça recebida no batismo. Ela aumenta nossas forças para que nos separemos do pecado, pois quanto mais participamos da vida de Cristo e quanto mais progredirmos em sua amizade, mais difícil fica permitirmos que o pecado nos afaste dele. Assim como o alimento corporal serve para restaurar a força física, a Eucaristia fortalece a caridade que, em nosso dia-a-dia pode acabar ficando um pouco esquecida. Ao dar-se a nós, Cristo reaviva nosso amor e nossa compaixão. Por isso mesmo, a Eucaristia nos compromete com os pobres. Para receber verdadeiramente o corpo e o sangue de Cristo, devemos ser capazes de reconhecer Cristo em nossos irmãos mais pobres e sofredores.

Atividades:

Eucaristia quer dizer “Ação de Graças”. Procure em Mt 26,26-29 e transcreva o momento em que Jesus “dá graças.”

 Por que a Igreja repete na missa a ceia de Jesus?

Quais são os frutos da comunhão?

(Fonte: Livro Convidados para a ceia)

13 abril, 2013

Jogral: A Ultima Ceia






A  Ultima Ceia
Leitor 1: Na quinta-feira, antes de ser preso, Jesus reuniu os doze apóstolos e preparou um jantar, uma ceia.
Leitor 2: Sabendo que iria morrer, Jesus encontrou uma forma de ficar sempre presente, no meio deles e também entre nós. Ele, então, fez um gesto que a Igreja continua repetindo, para lembrá-lo e torná-lo presente no mundo.
Leitor 3: Naquela noite, ele pegou o pão, olhou para o céu, deu graças a Deus, partiu o pão e o deu a seus discípulos, dizendo:
Catequista: Tomai todos, e comei. Isto é meu corpo, que será entregue por vós.
Leitor 4:  Depois, pegou um cálice com vinho, deu graças novamente e deus aos discípulos , dizendo:
Catequista: Tomais todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para a remissão dos pecados. Fazei isso em memória de mim.
Leitor 5: A Eucaristia é, portanto, a atualização da Ceia do Senhor, do jantar de Cristo com seus amigos. A celebração da missa atende ao pedido do próprio Jesus para manter viva sua memória.
Leitor 6:  Em cada missa, Jesus se dá em sacrifício para o perdão de nossos pecados e para a nossa salvação. E nós assumimos o compromisso de viver conforme ele ensinou, pois, ao sermos alimentados com seu corpo, passamos a fazer parte desse corpo.
Todos: Nós somos o corpo de Cristo! 

(Fonte: Livro Convidados para a Ceia)



10 abril, 2013

Seguidores dos Passos de Jesus

  Cristão quer dizer seguidor dos passos de Jesus.  
Esta dinãmica serve para marcar no compromisso de cada Catequizando com Jesus, marcar o sim de cada um ao projeto de Jesus. Pode ser usada como o celebrar o encontro-Método ver-julgar-agir-celebrar. Pode também com catequistas.






(Orientação: Pedir que o catequizando  pise numa folha A4 e faça o contorno do pé. Depois é só escrever o nome.)


Por Cris Menezes- Catequista feliz

01 abril, 2013

Como devemos orar?




O que é Oração?

Estamos em oração quando o nosso coração se dirige a Deus. Quando uma pessoa ora, entra numa relação viva com Deus.
A oração é a porta para a fé. Quem  ora deixa de viver de si, para si e a partir da própria força. Ele sabe que há um Deus com quem pode falar. Uma pessoa que ora entrega-se cada vez mais a Deus. Ela procura desde já a união com Aquele com quem, cara a cara, se encontrará um dia. Por isso, pertence à vida cristã o esforço pela oração diária. Porém, não se aprende a orar como se aprende uma técnica. Embora isso soe estranho, orar é um dom que se obtém na oração.

Que sentido tem a oração para uma pessoa?
Nós oramos porque temos um desejo completamente infinito e porque Deus nos criou para Si; "O nosso coração está irrequieto até encontrar o descanso em Ti." (Santo Agostinho) Mas também oramos porque temos necessidade; assim disse a Madre Teresa: "Porque não me posso abandonar a mim mesma, abandono-me a Ele 24 horas por dia."

Esquecemos Deus frequentemente, afastamo-nos e escondemo-nos d'Ele. Mesmo que evitemos pensar em Deus, mesmo que O neguemos, Ele está sempre disponível para nós. Ele procura-nos, antes de O procuramos; Ele anseia por nós, Ele ama-nos. Ao falarmos com a nossa consciência, notamos repentinamente que falamos com Deus. Ao sentirmo-nos sós, sem ninguém com quem falarmos notamos que  Deus está sempre disposto a conversar. Quando nos vemos em perigo, notamos que Deus respondeu ao nosso pedido de ajuda. Orar é tão humano como respirar, comer, amar. Orar purifica, orar possibilita a resistência contra as tentações. Orar fortalece na fraqueza. Orar tira a angústia, duplica as forças, permite uma respiração mais profunda. Orar torna-nos felizes.

De que modo Jesus aprendeu a orar?
Jesus aprendeu a orar na Sua família e na sinagoga. Porém, Jesus ultrapassou as fronteiras da oração tradicional. A sua oração mostra uma união com o Pai do Céu que só pode possuir quem é "Filho de Deus".

Jesus, que é simultaneamente Deus e homem, cresceu, como as outras crianças israelitas do Seu tempo, com os ritos e as formas de oração do Seu povo. Porém, tal como se manifestou na história de Jesus no templo, ao atingir 12 anos (Lc 2, 41-50), havia n'Ele algo que não podia ter sido aprendido: uma ligação originária, profunda e única com Deus, o Pai do Céu. Jesus tinha, como todas as pessoas, a esperança de um outro mundo, e orava a Deus a partir disso; ao mesmo tempo, portanto Ele tornava-Se parte desse outro mundo. Aqui já se notava que um dia se oraria a Jesus, reconhecendo-O como Deus e pedindo-Lhe a Sua graça.

Como orava Jesus?
A vida de Jesus era uma oração única. Em momentos decisivos, como a tentação no deserto, a escolha dos Apóstolos e a crucifixão, a Sua oração era especialmente intensa. Com frequência, sobretudo à noite, Ele retirava-Se na solidão, para orar. Ser um com o Pai, no Espírito Santo, era o fio condutor da Sua vida terrena.

O que significa aprender a orar com Jesus?
Aprender a orar com Jesus significa entrar na Sua confiança infinita, associar-se à Sua oração e ser levado por Ele, passo a passo, até o Pai. 

Os discípulos, que viviam em comunhão com Jesus, aprenderam a orar escutando e imitando Jesus, cuja vida inteiramente uma oração. Como Ele, eles tinham de estar alerta, lutar por um coração puro, dar tudo pela vinda do Reino de Deus, perdoar os seus inimigos, confiar em Deus ousadamente e colocar o amor por Ele acima de tudo. Nesse exemplo de entrega, Jesus convidou os Seus discípulos a chamar a Deus, ao Onipotente, "¨Papá, Pai querido!"Quando oramos no Espírito de Jesus, especialmente com o Pai Nosso, caminhamos como que nas sandálias de Jesus e podemos estar seguros de que chegamos ao coração do Pai.

Como podemos ter a certeza de que a nossa oração é ouvida por Deus?
Muitas das pessoas que pediram a cura a Jesus, durante a Sua vida terrena, foram escutadas. Jesus, que ressuscitou da morte, vive e ouve os nossos pedidos, levando-os ao Pai.

Jairo, um dos principais da sinagoga, implorou ajuda a Jesus e foi por Ele ouvido. A sua pequena filha estava doente, quase a morrer. Jesus curou a sua filhinha ou ressuscitou a dos mortos (Mc 5, 21-43). De Jesus procedem muitas curas, testemunhadas com segurança. Ele operou sinais e milagres. Não em vão, pediam a cura a Jesus paralíticos, leprosos e cegos. Também todos os santos da Igreja testemunharam que a sua oração foi escutada. Muitos cristãos narram que chamaram por Deus e que Deus os ouviu. Não obstante, Deus não é autômato; temos de deixar a Seu critério o corresponder ou não ao nosso pedido. 

Youcat, pág. 258-263


Música:

Te louvo em verdade, Rosa de Saron.